AlmArdente

De tudo se fala do que possa habitar uma qualquer alma humana. Os amores e desamores, as artes e os vícios, os prazeres e as dores. Intensas banalidades, para miúdos e graúdos.

sábado, dezembro 24, 2005

É Natal !

.
É Natal. Agora sim, já é Natal!
Montei a árvore e o presépio, enfeitei a casa, comprei alguns presentes, tenho a casa a abarrotar de doces feitos pela mãezinha, tenho a família reunida, a lareira acesa todo o dia, os dias inteiros para serem saboreados sem pressas... Até que enfim, já é Natal.
Adoro o Natal. Sempre adorei.
É daquelas paixões de criança que nunca morreu e não tenho problemas em dizer que adoro o Natal. E sim, sei bem o que ele representa. E não, não ando em correrias desenfreadas à procura das prendas de última hora. Não passei os últimos dias enfiado em lojas de centros comerciais e não estupidifiquei a ponto de me solidariezar com todas as causas. Não é por ser Natal que me torno uma pessoa melhor (aliás, sei que sou uma pessoa boa ao longo de todo o ano). Não é por ser Natal que os problemas do mundo serão resolvidos (aliás, grande parte do mundo nem celebra o Natal cristão). Mas esta quadra sempre foi mágica para mim. É a côr, é o brilho, é a alegria de reencontros, a felicidade com coisas simples. É tudo o que deveria ser na sua essência, mas que ao longo dos tempos se foi deteriorando.
Detesto o Natal consumista. Detesto os Pais-Natal a esgatanhar pelas paredes acima, que mais parecem ninjas a invadir as casas das pessoas. Não posso com todas as tendinhas, barraquinhas, quiosques de tudo o que é instituição a pedir caridade; porque essa boa-vontade já eu a partilho durante todo o ano. E todos deviam pensar nos problemas reais ao longo de todo o ano e não pensar só nesta época que sim, os problemas existem, mas outros hão-de resolvê-los.
Sou do tempo do menino Jesus. Era ele quem dava as prendinhas. Agora é o Pai-Natal o distribuidor oficial. Tudo bem, são transformações naturais exigidas pela sociedade moderna (ou não fosse o Natal a grande salvação do comércio). Mais honestos são os nossos vizinhos espanhóis, que oferecem as prendas no dia de Reis - afinal, foram eles quem ofereceram algo a Jesus quando ele nasceu.
Mas preciosismos à parte, independentemente do que significa o Natal para cada um, eu adoro o Natal.
O meu Natal.
Feliz Natal para todos.

6 Comments:

Enviar um comentário

<< Home