AlmArdente

De tudo se fala do que possa habitar uma qualquer alma humana. Os amores e desamores, as artes e os vícios, os prazeres e as dores. Intensas banalidades, para miúdos e graúdos.

segunda-feira, maio 14, 2007

Na guerra e no amor vale tudo - diz-se.
Valerá?
Haverá porventura fins superiores que justifiquem os meio mesquinhos e vis, perpetrados sem qualquer tipo de escrúpulos ou consciência da dor alheia?
Talvez.
Mas se a guerra - ou o amor - é um exercício de puro egoísmo e inveja, em que mais que os princípios de lealdade e honestidade, o que conta é a satisfação do próprio ego, será lícita aos olhos de todos? Ou só da parte interessada?
(é preciso não esquecer que uma guerra - ou o amor - é muitas vezes precedida de planeamento, frieza, calculismo. Estudo do método, dos pontos fortes e das fraquezas. Premeditação)
Por esse mundo fora, muitas vozes de indignação se levantaram contra a invasão do Iraque. Alheios a tudo, os americanos avançaram com a sua cruzada económica. Justos ou tiranos? Heróis ou vilões? Depende do ponto de vista.
Tal como depende do ponto de vista de cada um, a avaliação de acções nas nossas pequenas guerras do dia-a-dia - ou no amor. A informação é manipulada, jogam-se trunfos, garantem-se alianças. E no fim, ganha a estratégia mais elaborada e mais bem preparada. Nem sempre a mais justa, muitas vezes falsa e desonesta. Mas quem disse que o mundo é perfeito?
Na guerra e no amor vale tudo - diz-se. Que ninguém esqueça isso, ou será trucidado.

4 Comments:

  • At 10:37 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    No amor trava-se sim uma guerra de rosas...em que se joga pela dominância e supremacia, não económica mas emocional. Para mim não vale tudo, deve-se respeitar os princípios da honestidade e lealdade na sua essência. Nada de manipulação de informação. O jogo deve ser limpo..assim a guerra é ganha justamente. A utilização de estratégias menos honestas demonstram fraqueza de espirito...ou seja é para os fracos..lol..que tradicionalmente seriam as mulheres..enganam-se são infelizmente os homens. Eu é que não vou ser manipulada!!lol

     
  • At 10:45 da manhã, Anonymous Anónimo said…

    Uma mulher é estoica e por isso encara o "inimigo" de frente ;) Touché

     
  • At 5:49 da tarde, Blogger panamá said…

    Não, minha jóia! Nem todos os fins justificam os meios! Aliás, muito poucos fins justificam atitudes mesquinhas, calculistas e feias...! E muito menos no que ao amor diz respeito! Tem que haver um código de respeito, de ética que, não é nada linear nem estanque e muda de pessoa para pessoa. No entanto, nessa amálgama de valores, tem que haver um complexo macro com os quais todos nos identificamos: o bom, e o mau, são valores perfeitamente identificáveis por qualquer ser humano em sua capacidade plena!
    E se se trata de amor, se a questão se prende com o amor...não será preciso socorrermo-nos de coisas mesquinhas. Quando se ama, ama-se e não há nada a fazer! Quando não se é correspondido, mais vale não correr atrás de quem foge! Digo eu! Beijocas boas e obrigada pela reflexão!

     
  • At 11:58 da manhã, Blogger MêCê said…

    Realmente, dá que pensar... Sou dos que abomina guerras com fins egoístas, mas há quem as queira travar. Depende muito do carácter de cada um. Quanto às mulheres serem diferentes dos homens, não sei, quem sabe? É um caso de estudo.

     

Enviar um comentário

<< Home