AlmArdente

De tudo se fala do que possa habitar uma qualquer alma humana. Os amores e desamores, as artes e os vícios, os prazeres e as dores. Intensas banalidades, para miúdos e graúdos.

segunda-feira, junho 04, 2007


Tenho a AlmArdente por um dedal de aguardente...
Aqui está uma actividade que me tem despertado comichões nos últimos tempos: o alambique!
De há uns anos para cá, tornei-me apreciador de aguardentes e bagaços caseiros. "Pomadas" de travo mais ou menos agreste, umas macias e adocicadas, outras mais ásperas na garganta.
As mais comuns são as aguardentes feitas com bagaço de uva, mas é igualmente conhecida a aguardente de medronho. Mais recentemente, tive contacto com aquela que me despertou a vontade de dominar o alambique: aguardente de nêspera.
Praticamente tudo o que tem açúcar é um potencial produto para fermentação. Por conseguinte, todos os frutos são possíveis de transformar em alcoól e destilar. Mas a aguardente de nêspera foi a que mais me cativou.
Bebida em doses minúsculas, quase dedais, depois daqueles ricos almoços na Fajã das Almas (São Jorge), na companhia de quem a produziu, é das melhores recordações que trago do Verão passado. A repetir este ano.
Quanto ao alambique, transporta-me a um mundo envolto numa aura de romantismo que só se vai encontrando em alguns lugares remotos nessas aldeias do interior do país. Mas hei-de aprender a trabalhar a destilação. Desde que a GNR não me interrompa...

4 Comments:

  • At 4:59 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    A alma fica ardente é depois de beber um dedal desse líquido potente...lol. ès um coragoso para te lançares às nesperas destiladas. Eu cá fico-me pelas uvas e o tinto. De preferência das caves da Ermelinda de Freitas e viva as pomadas do Sado!!

     
  • At 5:14 da tarde, Blogger panamá said…

    bem...que líquido promissor! fico à espera que me proporciones uma prova desse néctar de nêspera! beijocas, meu querido:)

     
  • At 8:16 da manhã, Blogger MêCê said…

    Para provar desse néctar, só indo ao paraíso da Fajã. Ofereço estadia :)

    Quanto às pomadas do Sado, vejo que temos aqui gente esclarecida... Da casa Ermelinda Freitas recomendo o Quinta da Mimosa. É o meu preferido e um justo "segundo lugar" logo atrás do Leo d'Honor, que a meu ver, apesar de ser de longe o melhor vinho da casa, está um pouco sobrevalorizado (e estamos em tempo de apertar o cinto).

     
  • At 1:24 da tarde, Anonymous Anónimo said…

    Tiraste me as palavras da boca. Quinta da Mimosa, que tem um aroma muito caracteristico...cheira-me a mimosas e a mato:)

     

Enviar um comentário

<< Home