AlmArdente

De tudo se fala do que possa habitar uma qualquer alma humana. Os amores e desamores, as artes e os vícios, os prazeres e as dores. Intensas banalidades, para miúdos e graúdos.

segunda-feira, janeiro 22, 2007

O porquê das coisas

Há uns meses atrás, fui convidado a escrever sobre o porquê de criar e manter um blog. O convite partiu do Instituto de Ciências Sociais, no âmbito dum projecto de ocupação de tempos livres para jovens, que tomaram assim contacto com o mundo dos Estudos Sociológicos.
Desconhecendo o resultado desse estudo, deixo aqui porém o texto que entreguei, que mostra a minha perspectiva de autor de blog.

Que razões levam alguém a querer iniciar e manter um blog? Notoriedade? Auto-satisfação? O prazer despretencioso de partilhar com os outros o que quer que lhe vá na alma? O viperismo de dar com a língua nos dentes acerca das podridões alheias?Eu digo que todas estas razões são válidas e cada um sabe de si.Mas o que me levou a mim a editar um blog?Bem, na realidade, tudo começou por ser uma reacção espontânea a um desgosto amoroso. Não daqueles que pululam nos Morangos com Açúcar, mas dos sérios, de gente crescida. Foi uma grande perda, a que senti (e penso que muitos sabem o que se sente nessas situações). Foi uma chapada dolorosa seguida de uma sensação de vazio, que precisava de um exorcismo criativo. Amigo da escrita desde criança, decidi-me a explorar o mundo dos blogs. Comecei por ler alguns de que gostei muito e acabei por criar o meu próprio blog. Quis fazer dele algo diferente, não um diário, não um manifesto ou uma exposição de opinião quotidiana nem política. Blogs desses havia muitos com fartura. Assim criei um blog de “coisas”. Coisas de que gosto, coisas que me prendem a atenção, coisas que me fazem parar e sorrir ou reflectir sobre elas. Coisas que me deslumbram, coisas que de alguma maneira me cativam. De filmes e música a fotografias, receitas culinárias e reflexões de vida, tudo se pode encontrar no meu blog. Escrevo sobre o amor tal como posso descrever uma viagem a África ou mostrar umas fotos de carros e motas. Mas porquê a publicação em blog? Podia muito simplesmente fazer uma compilação de tudo no meu disco rígido e imprimir, como se fosse um albúm. E é aí que entra a vaidade do artista. Porque isto de publicar seja o que for, acarreta sempre uma ponta de vaidade e desejo de aceitação. Como tal, também eu busquei o meu espaço público, os meus leitores, para me sentir como parte integrante desta grande aldeia global. No fundo, no fundo, penso que é uma forma de nos darmos a conhecer, esperando que alguém beneficie com isso, que partilhe dos nossos sentimentos, dos nossos gostos. Nenhum homem é uma ilha isolada e a socialização, nos tempo que correm, é feita também através dos blogs.Quanto à manutenção do blog, é feita quando há tempo e inspiração. Posso escrever várias vezes por dia, assim como se podem passar semanas ou meses sem colocar nada de novo. É uma coisa que não me apoquenta. Essa é uma vantagem de não ser um diário nem um modo de publicação de artigos de opinião. Isso eu deixo para os pseudo-intelectuais.Em relação aos blogs dos outros e a forma como interajo com eles, uma coisa é certa logo à partida: posso gostar ou não dos vários que vou apreciando na blogosfera, mas nunca os menosprezo. Às vezes faço comentários, quando sinto que tenho algo a acrescentar, mas na maioria das vezes limito-me a ver. E tenho sempre presente, quando navego de blog em blog, que os há para todos os gostos.

Podem ler os textos dos demais autores aqui

1 Comments:

  • At 6:22 da tarde, Anonymous susana said…

    na realidade é mais uma forma de comunicar!!
    é como ir ao café, e só ouvires as conversas que te apetece!!
    melhor: só dizeres o que te apetece!!

     

Enviar um comentário

<< Home